Cachorro passa a morar no cemitério para ficar ao lado do túmulo de dono que faleceu: “É um amor incondicional, nunca esquece”

Cachorro passa a morar no cemitério para ficar ao lado do túmulo de dono que faleceu: “É um amor incondicional, nunca esquece”

Setembro 25, 2021 Não Por love amem

Há três anos, o cemitério municipal de General Roca, em Rio Negro, na Argentina, ganhou um frequentador assíduo: o cachorro Bobby, que para ficar ao lado do seu antigo tutor já falecido, adotou o local como sua nova residência.

“Seu dono morreu há três anos e, desde então, (o cão) nunca mais deixou o cemitério. Ele ficou porque seu mestre está enterrado aqui”, revelou Daniel Cisterna, coveiro do cemitério.

Daniel é funcionário do cemitério há 16 anos e disse que quando chega ao trabalho, por volta das 14 horas, Bobby ouve sua motocicleta e passa a acompanhá-lo durante todo o dia, até a hora de ir embora. “Quando saio ele me acompanha até a floricultura e dá a volta”.

Durante os enterros, que duram não mais que 45 minutos, o cão costuma se deitar ao lado da família e imóvel observa o ritual. “Ele parece entender a dor deles”, disse o coveiro.

A chegada de Bobby ao cemitério foi, no mínimo, curiosa. Seguindo o carro funerário que levava o tutor, o cachorro chegou e, desde então, nunca mais foi embora. Segundo Daniel, os familiares do antigo dono de Bobby tentaram levá-lo de volta, mas não deu certo.

“O cãozinho ainda estava em cima do túmulo de seu dono, ele não queria sair. Eles o carregaram em uma van, mas ele saiu e voltou para o túmulo de seu mestre. Ele não quer partir, ele quer ficar com ele”, afirmou.

Adriana Carrasco, uma professora municipal deixa comida para o pet todas as semanas, além de levá-lo ao veterinário quando necessário. “Quando conhecemos Bobby, fomos imediatamente castrá-lo para que não acontecesse o mesmo que com outros cães que fugiram para lutar”, disse.

Assim como Daniel, a lealdade de Bobby com o antigo tutor também chama a atenção de Adriana. “É uma demonstração de como os cães são fiéis a seus donos. Pensar que há muitas pessoas que os abandonam, mas eles não nos abandonam. O amor que eles têm é incondicional e eles nunca esquecem”, concluiu. (Fonte: IstoÉ)