Bolsonaro impede projeto que daria prioridade para mães solteiras receberem auxílio de 1200 reais

Bolsonaro impede projeto que daria prioridade para mães solteiras receberem auxílio de 1200 reais

Julho 31, 2020 Não Por love amem

Recentemente, o atual presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, barrou um projeto que pretendia dar prioridade as mães solteiras para receber o Auxílio Emergencial no valor de 1.200 reais. O projeto foi criado pelos parlamentares do Psol (Partido Socialismo e Liberdade) e além de dar prioridade para as mães solteiras, pretendia estender esta condição para os pais solteiros.

Além disso, o texto vetado pelo presidente Jair Bolsonaro, consideraria que quando ambos pai e mãe não vivessem juntos e o Auxílio fosse solicitado pela mãe, a prioridade seria para esta. Com isso, a prioridade só voltaria a ser para o pai, caso ele possuísse a guarda dos filhos, podendo contestar esta decisão na justiça.

A justificativa dada para o projeto ser vetado, foi por conta, de a proposta não ter apresentado uma estimativa de gastos financeiros e impactos que causariam no orçamento. Por este motivo, de acordo com o Diário Oficial da União, o benefício não poderia ser aprovado.

O Diário Oficial da União ainda alegou que as ferramentas disponíveis no Auxílio Emergencial não indicam quem realmente teria a guarda da criança, por este motivo, o pagamento se tornaria inviável.

O Governo teria alegado que isso facilitaria a fraudação do benefício, considerando que ex-parceiros poderiam se autodeclarar provedores da família monoparental, quando na realidade, isso poderia não se tratar de algo verdadeiro.

Em meados de abril, o Auxílio Emergencial teria sido ampliado para os pais chefes de família. E de acordo com o Jornal Folha de São Paulo, o veto ocorreu após vários pais tentarem incluir o CPF de seus filhos nos cadastros, mesmo sem ter a guarda da criança ou participarem efetivamente da criação de seus filhos.

Ou seja, desta maneira, as mães que realmente cuidavam dos filhos e tinham suas guardas, eram negadas no Auxílio Emergencial. Já que o pai, dizendo ser chefe de família, havia utilizando os dados.

De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 80% das crianças brasileiras tem uma mãe como a principal responsável pelos cuidados do filho e mais de 5,5 milhões de crianças são registradas sem o nome do pai.