Paciente Brasileiro com cancro terminal curado com terapia genética pioneira

Paciente Brasileiro com cancro terminal curado com terapia genética pioneira

Outubro 11, 2019 Não Por love amem

Segundo informações divulgadas pela Agência Brasil, Vamberto Castro, de 62 anos, realizou um tratamento com um método desenvolvido no país que usa células alteradas em laboratório para combater um linfoma grave, quando já respondia a tratamentos convencionais no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo.

O paciente foi autorizado para se submeter ao tratamento com as chamadas células CAR-T, ainda em fase de pesquisa.Os médicos responsáveis pelo procedimento explicaram que a terapia celular faz com que as células T (tipo de célula do sistema imunológico) do paciente sejam alteradas em laboratório para reconhecer e atacar as células cancerígenas ou tumorais.

Cerca de 20 dias após o início do procedimento, os exames de Vamberto Castro comprovaram que as células cancerígenas desapareceram. As células CAR-T foram desenvolvidas por investigadores dos Estados Unidos da América, onde já está autorizada a produção das células modificadas.

100% brasileiro

Renato Luiz Cunha, outro dos responsáveis pelo estudo, explicou que a terapia genética consegue modificar células de defesa do corpo para atuarem em combate às que causam o câncer.

“As células vão crescer no organismo do paciente e vão combater o tumor”, disse Cunha. “E desenvolvemos uma tecnologia 100% brasileira, de um tratamento que nos EUA custa mais de R$ 1 milhão. Esperamos que ela possa ser, no futuro, acessível a todos os pacientes do SUS.”

Cunha recebeu, em 2018, o prêmio da Associação Americana de Hematologia (ASH), nos EUA, para desenvolver este estudo no Brasil.

Rápida melhora

Segundo os médicos, Castro respondeu bem ao tratamento e logo após quatro dias deixou de sentir as fortes dores causadas pela doença. Após uma semana, ele voltou a andar.

“Essa primeira fase do tratamento foi milagrosa”, disse ao G1 o hematologista Dimas Tadeu Covas, coordenador do Centro de Terapia Celular (CTC-Fapesp) e do Instituto Nacional de Células Tronco e Terapia Celular, apoiado pelo CNPq e pelo Ministério da Saúde.

“Não tem mais manifestação da doença, ele era cheio de nódulos linfáticos pelo corpo. Sumiram todos. Ele tinha uma dor intratável, dependia de morfina todo dia. É uma história com final muito feliz.”

Fonte g1 e noticiaisaominuto