A mãe recusou a criança, porque ele nasceu negro. A história do garoto abandonado.

Mãe jogou o bebê no hospital, mal vendo que ele nasceu negro. Uma caixa com as crianças na maternidade atraiu a atenção. O menino estava absolutamente saudável, nascido um herói, mas com uma aparência escura. A mulher que deu à luz o menino estava assustada, escreveu uma recusa. Ela não queria que todos soubessem sobre traição.

Mentiu a um marido civil, disse que o bebê não sobreviveu e saiu com uma alma calma do hospital sozinho. A enfermeira do menino se chamava Mark.

A criança comeu bem, rapidamente ganhou peso, era um bebê doce e calmo, agukal e todos sorriam.

Para as crianças dos refuseniks poucas pessoas são adequadas, elas são alimentadas a cada três horas e raramente tomam suas mãos.

No dia anterior à transferência para a casa do bebê,  Mark chorou pesadamente, mas a equipe médica não prestou atenção aos gritos de atenção. As crianças são muitas, as mãos não alcançam todas.

De noite, a criança negra parou de gritar e apenas sussurrou baixinho. Se sua mãe estivesse lá, ele teria notado que algo terrível estava acontecendo.

E assim, apenas na próxima alimentação  enfermeira recém-chegado chamou a atenção para a inadequação da grudnichka  eo bebê urgentemente levado para a unidade de cuidados intensivos.

Ele começou a asfixia, os médicos tomaram medidas e conectaram o bebê ao oxigênio.

O menino estava em estado grave, mas sobreviveu.

Mais algumas horas e não teria sido resgatado. Aparentemente, lá no céu, alguém com amor cuidou da recusa negra.

A enfermeira Albina visitou seu bebê na enfermaria em seu final de semana. Então ele afundou em sua alma, não podia esquecer seu olhar desamparado e a grave condição de um menino incomum.

Depois de um tempo, o bem-estar de Mark foi ajustado, a criança estava preparada para um extrato e transferida para a Casa do Bebê.

Alya persuadiu o marido a adotar esse menino. Seus filhos não tinham, e este caso pareceu-lhe significativo. O marido resistiu por muito tempo:

“Por que precisamos de uma criança negra?” Deixe-o, deixe-o ser adotado pelo povo de sua raça

Mas Alya poderia convencer seu marido.

Depois de passar pela escola de pais adotivos e pelo conselho médico, arquivaram o documento em custódia. A decisão da comissão teve que esperar por uma semana e, finalmente, Mark poderia ser levado para casa.

A mãe biológica do menino nunca apareceu no hospital. Ela teve a chance de aceitar a recusa da criança, mas ela não a usou.

Albina foi em licença de maternidade e sentiu absolutamente feliz. Então, um pequeno menino de pele escura encontrou uma família, uma esperança de um futuro feliz e amor.

E seis meses depois, Alya descobriu que estava grávida! E isso é três anos depois de um tratamento malsucedido para a infertilidade.

Sim … na verdade, alguém lá fora, no céu, faz o nosso destino, testando-nos pela força, bondade e capacidade de amar …

 

Veja tambem:

No Quênia, um porco deu à luz um porco parecido com um humano

Na Argentina, a estátua da Virgem Maria “explodiu em lágrimas”

Não chore o leite derramado, pois Deus viu antes que ia azedar.