Corpo de Bebé recém-nascida encontrada morta “coberto de mordidas de animais”

O corpo do recém-nascido ‘Bebé Pérola’ encontrado abandonado na floresta estava coberto de marcas de mordidas de raposas e cães, foi revelado.

Os detetives acreditam que a menina, que foi encontrada sem “um pedaço de roupa”, pode ter sido deixada para morrer depois de ser levada para um morro e rolada por uma rocha íngreme.

A polícia fechou uma área em Roch Valley Woods, Heywood onde o corpo foi encontrado (Imagem: PA)

A Bebé, chamada pela polícia como Pérola, foi encontrada com parte de seu cordão umbilical ainda presa com sinais de que o resto foi “cortado com violência”.

Um parente da mulher que encontrou o corpo disse ao Jornal Times que ela “não parou de chorar desde” depois da “horrível” descoberta de 4 de abril.

Flores, cartões e ursinhos foram deixados como homenagens (Imagem: Manchester Evening News)

Investigadores dizem que sua mãe pode ter sido uma possível vítima de estupro ou incesto e disse que a pessoa que largou Pearl não teve “apego emocional” a ela.

O DNA da Bebé passou pelo banco de dados nacional, que gerou milhares de possíveis correspondências, mas inclui apenas amostras de pessoas condenadas por crimes.

Especialistas da polícia foram forçados a descer para recuperar seu corpo.

Acredita-se que a polícia não descartou a possibilidade de que Bebé Pérola possa estar viva quando ela foi jogada fora.

Policia segurando um berço no dia em que o bebê foi encontrado (Imagem: MEN Media)

O detetive-chefe inspetor Lewis Hughes sugeriu que a mãe era uma vítima de abuso e estava em “aflição”.

De acordo com o jornal The Sunday Times, as autoridades britânicas registaram cerca de 50 casos de bebés abandonados desde o ano de 2000.

 

Veja também:

Filha deixa mãe viva apodrecer no sofá durante dez anos até a morte

INS News Agency Ltd)

Mulher esconde pistola dentro da vagina para policia não a encontrar

(Picture: Mclean County Jail)

Mulher deixa gatos sem água e comida dentro de casa imunda de lixo

Os gatos foram deixados por duas semanas sem comida (Imagem: Wales Online WS)